quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Vamos multiplicar!!!




 Muitas vezes é bem difícil para um aluno aprender o conceito de multiplicação. Há crianças que conseguem decorar a tabuada, há aqueles que entendem o mecanismo de pular de 2 em 2, de 3 em 3,  há alunos que contam nos dedos, mas existem alguns que precisam de mais tempo.

Quando é assim, deixo a parte da turma que já compreendeu que multiplicar é somar parcelas iguais ou "repetir o número quantas vezes se pede" com um jogo onde não será necessária minha intervenção e faço atividades concretas com os outros.

                                   

 Na escola temos muitos jogos de multiplicar, sempre os utilizo, mas essa atividade também é bem interessante e dá bons resultados.

 As folhas de papel ou bandejas de isopor representam o multiplicador e as tampinhas ou outro material de contagem, o multiplicando.

Representação de 5x8.
                                     
  Assim, 3x7 fica dessa forma representado (três grupos com sete tampinhas cada):

                                  

 O importante é deixar a criança refletir sobre quantas folhas ou grupos ela vai precisar. Se for a tabuada do 4, não lhe apresente apenas quatro grupos, disponha as folhas e deixe-a organizar seu pensamento. 

 Vá variando as tabuadas, sempre em ritmo de brincadeira. Depois que a criança compreende o conceito, as continhas fazem sentido.



 Uma dica simples que dá certo! Até a próxima!!!
                                           

domingo, 20 de setembro de 2015

Matemática na prática IV

 Formas geométricas e uma aventura


 Vamos sistematizar o conteúdo formas geométricas no segundo ano. Como? Com folhinhas para escrever o nome das formas, pintando e recortando e, no máximo, identificando as formas geométricas existentes à sua volta...


 Que nada!!! Vamos viver uma aventura: A semana do pirata!!!

 A leitura já estava preparada:

                                     

 Esse livro é maravilhoso, sem letras, um personagem passa uma mensagem ao outro, como numa brincadeira de telefone sem fio. O segredo? Cada criança precisa descobrir!!!

 Duas semanas antes combinei com a turma a "Semana do pirata", marcamos no calendário e fiquei à procura de um chapéu...

 Minha intenção era introduzir o assunto com uma dinâmica, mas acabou se tornando uma sequência inteira que rendeu muitos aprendizados!

 Os alunos  sabiam que teria uma surpresa, mas ficaram encantados quando entrei vestida de pirata, tentando esconder o baú do tesouro...

                       

 Assim, começou a brincadeira. Tenho alunos entre 7 e 12 anos e todos participaram das aulas com entusiasmo:

 nas leituras,

 

 nas produções de texto, 



 

 na confecção do telefone sem fio,


                               

na procura dos tesouros,


                               

nos livros didáticos, no caderno, na confecção da espada... Em tudo o que fizemos a motivação fez o seu papel! À cada dia escondia um tesouro no baú (o livro, a fantasia das crianças, giz para fazer continhas no chão, mapa...), mas toda a sequência ficou baseada nessa dinâmica:


  

                                    A HISTÓRIA DO PIRATA


  "Era uma vez um pirata que adorava tesouros. Havia no porão de seu navio um baú carregado de pedras preciosas. Nesse porão, ninguém entrava. Somente o pirata tinha a chave. Mas sua felicidade durou pouco. Numa das viagens, uma tempestade virou seu barco e obrigou todos os marinheiros a se refugiarem numa ilha. Furioso, o pirata ordenou que eles voltassem a nado para resgatar o tesouro. Mas, quando retornaram, os marujos disseram que o baú havia sumido. 'Um de vocês pegou', esbravejou o pirata desconfiado."

Nesse ponto, começa o jogo com as crianças. Peça que cada uma escolha um bloco lógico. Ao observar as peças sorteadas, escolha uma delas sem comunicar às crianças qual é. Ela será a chave para descobrir o "marujo" que está com o tesouro. Apresente então um quadro com três colunas (veja abaixo). Supondo que a peça escolhida seja um triângulo pequeno, azul e grosso, você diz: "Quem pegou o tesouro tem a peça azul". Pedindo a ajuda das crianças, preencha os atributos no quadro. Em seguida, dê outra dica: "Quem pegou o tesouro tem a forma triangular". Siga até chegar ao marinheiro que esconde o tesouro. A atividade estimula mais que a comparação visual. Também exercita a comparação entre o atributo, agora imaginado pela criança, e a peça que a criança tem na mão. A negação (segunda coluna do quadro) leva à classificação e ajuda a compreender, por exemplo, que um número pertence a um e não a outro conjunto numérico.



 No último dia escondi o baú com chocolates e pirulitos. Então saímos à procura dele com nossas espadas, tapa olhos e bandanas por toda a escola.Cada equipe procurava em um lugar. Foi muito divertido!   

                                               

Na outra semana um aluno me perguntou: "Por que você não dá aula vestida de pirata até o final do ano?" 

 Respondi que teremos outras aventuras... E tem que ser assim mesmo, senão uma hora o pirata perde a graça! 

 Não precisa se fantasiar o ano todo, apenas invente novas aventuras, leia novos livros, ensine de maneiras diferentes e com amor, reflita sobre sua prática e, finalmente, viva Num constante aprendizado!   
                             

Até mais!!!