quarta-feira, 15 de abril de 2015

Roda do afeto

Uma experiência única


  Minha turma do ano passado foi a que mais me ensinou nesses anos de caminhada, acho que aprendi mais com eles, do que eles comigo... 
  Sabe quando você precisa olhar além das aparências, além das condições sociais, da agressividade e enxergar crianças; foi assim, meu exercício diário. Era preciso mudar hábitos antes de alfabetizar...
  E, um dia, estudando sobre afetividade, pensei... Porque não? Pode dar certo! E deu!!!
  
  Começamos, então, a roda do afeto. Afeto? Palavra estranha, eles nunca tinham ouvido falar. Mas o dicionário serve pra isso. Significados esclarecidos, fomos para prática.
  
   A ideia era que toda manhã, antes de abrir cadernos e livros, dedicássemos um tempo uns aos outros. No início foi bem difícil...Mas depois de poucas semanas não era mais preciso pedir que se sentassem na rodinha.



  Cada um que se sentisse à vontade poderia compartilhar, por meio da escrita e desenhos, algo que estivesse sentindo naquele dia ou escrever para um amigo. Escrito o bilhetinho, colocavam-no na caixa que enfeitamos na sala.




Na hora de compartilhar eu lia os bilhetes. Ali as crianças falavam sobre alegrias, tristezas, episódios engraçados, momentos difíceis que estavam passando e tudo que quisessem escrever. 



   Muitas vezes foi um momento ímpar. Crianças escrevendo bilhetes para as outras: " Estou pedindo a Deus para você aprender a ler logo, nós vamos te ajudar!", são um exemplo da mudança de atitude na turma.

   Algumas vezes nos emocionamos, outras rimos até chorar. E assim, os que não escreviam no começo, passaram a compartilhar seus sentimentos também. Expressões como " eu te amo", " você é meu melhor amigo" eram frequentes. 


   Eles escreviam com gosto. Escreviam e liam todos os dias sem cobranças, nem imposições, mas pela vontade de participar do momento. Eu também escrevia para eles, incentivando, contando experiências, puxando orelha...




  Começamos essa prática no inicio do 2º bimestre e fomos até o final do ano, quando cada um levou os recadinhos que tinham recebido para casa, como uma lembrança dos bons momentos.
   
  Os endereçados a mim, estão aqui. Um potinho de maionese que tem muito à dizer!

                                                       

  
  

 Além de ajudar no relacionamento e estreitar laços, a escrita deles melhorou, pois sutilmente eu ia corrigindo os erros frequentes. E  eles tinham que ler o que escreviam para ver se estava correto.

 Bons aprendizados para mim e para turma!


 Toda relação é uma relação de afeto, cabe a você decidir se vai afetar o outro de uma forma boa ou ruim. Duzentos dias com um aluno é o suficiente para fazer parte da história dele! Marque esses dias com boas lembranças!!!

4 comentários:

  1. Estou neste dilema, minha turma é muito agressiva. Ótima dica parabéns por ter conseguido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rejane Lucas! Essa foi uma atividade ímpar, tentei e deu certo, esse ano não fiz, a turma é bem mais calma. Mas vale a pena fazer, as crianças vão te surpreender, com certeza!!! Bjus!!!

      Excluir
  2. Parabéns pelo excelente trabalho! Amo suas atividades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!! Sua visita é muito importante aqui no blog!!! bjus!

      Excluir