segunda-feira, 23 de março de 2015

Compartilhando mais uma prática que deu certo!

Valorizando minha cor



  Este, com certeza, foi um dos projetos que amei realizar! Além de ter sido envolvente, aconteceu de forma interdisciplinar. Ocorreu em 2013 e surgiu da necessidade de conscientizar os alunos sobre o respeito às diferenças. Alguns deles estavam referindo-se aos outros utilizando termos pejorativos, como: “cabelo duro”, “macaco”, “branquelo” e etc. 

 Começamos com música junto e misturado de Aline Barros: 



  Fizemos toda a análise do texto, coletivamente, e durante a semana trabalhamos os diferentes sons da letra R, partindo das palavras da música. 

 Montamos a  coreografia e combinamos que no dia da apresentação cada aluno faria um penteado bem legal, que valorizasse seu cabelo: liso, cacheado, crespo ou bem grandão. 
  Apresentamos a coreografia na escola e num seminário do PNAIC.


 Então surgiu a curiosidade: Porque somos de cores diferentes?

 Esse livro faz parte do acervo do Pacto, mas outros podem ser adaptados, como: A menina bonita do laço de fita.
 Realizamos a leitura dele durante uma semana, criando uma expectativa para o final da história. Na primeira leitura os alunos responderam através de desenho e escrita a mesma pergunta feita no livro: "Por que somos de cores diferentes?" Foi uma produção a partir dos conhecimentos prévios. 

 Após a segunda leitura, cada um contou suas hipóteses... 

  Na terceira leitura falamos um pouco sobre descendência como um dos motivos para a cor de cada pele ser diferente. Nesse momento discutimos o gráfico de cor/raça do último censo realizado. Conversamos sobre o que é o censo e o que cada aluno sabia sobre ele. Os alunos responderam a pergunta do censo quanto a cor da pele/raça. Com as respostas em mãos, discutimos sobre a valorização da cor de cada um, se havia sinceridade, ou se alguém se envergonhava, assim como fizemos com a atividade da música sobre o cabelo.

 Montamos um gráfico de barras com o resultado da pesquisa e o analisamos. Durante a elaboração do censo, fechamos a leitura do livro, onde a melanina surge como fator para a coloração da pele. Fizemos uma pesquisa sobre a melanina como encerramento dessa parte. 

  Após a primeira etapa do trabalho e a percepção do envolvimento das crianças com o tema, realizamos a leitura do livro: Pretinho, meu boneco querido. 

 A leitura durou duas semanas, pois nós líamos e parávamos nas partes de suspense. A cada leitura escutávamos o cd que acompanha o livro.
 Surgiu, então, a ideia de fazer o boneco pretinho. Conversei com as crianças e elas concordaram, mesmo sendo um 3º ano.  O boneco foi confeccionado durante as aulas.







·



  Quando ficou pronto, fizemos o diário do pretinho, cada aluno o levava  para casa e escrevia suas experiências com o boneco e seus familiares. No dia seguinte os alunos liam seus relatos para turma.


 A turma está no 5º ano e tem o boneco até hoje no seu cantinho de leitura e, com certeza, eles também guardam os aprendizados!

 Memórias não podem se roubadas! Conhecimento é a melhor riqueza que podemos ter!

 Obrigada por sua visita!!!

2 comentários:

  1. Amei amiga! Seu trabalho é sempre uma inspiração porque você sempre dá o melhor em tudo o que faz. A ideia de fechar com o diário foi fantástica! Ah o Pretinho ficou lindo! Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Você também me inspira! Falta seu blog agora!!!

    ResponderExcluir